IV Encontro Nacional da JASBRA

200 anos de Releituras

Exposição Virtual

Jane Austen – Vida e Obra

Colunas Semanais

A cada dia da semana um assunto diferente

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Luciana Darce, já se antecipou e publicou lá na página da JASBRA no Facebook, porém, como nem todos os leitores deste blog participam do nosso grupo por lá, resolvi publicar a notícia por aqui também. 

A livraria Cultura está lançando dois livros:

JUVENILIA 


é um livro duplo com escritos de Jane Austen e Charlotte Bronte, possui 472 páginas, tradução de Julia Romeu. Não há menção de quais livros da Juvenília fazem parte deste volume. Há apenas uma sinopse no site e está em pré-venda. Clique aqui para ter acesso ao livro. Publicação da Cia das Letras/Penguin. 


À primeira vista, Jane Austen e Charlotte Brontë parecem radicalmente opostas. Austen representa a elegância e a proporção neoclássica, parodiando excessos literários e criticando as fraquezas humanas. Brontë, por sua vez, imprime em sua escrita toda a paixão e a extravagância do espírito romântico, não raro com forte influência da fantasia. Numa época em que a literatura popular era considerada perigosa para a mente das jovens, a erudição precoce, a originalidade e a liberdade de espírito aproximam essas duas autoras. Ambas tinham como personagens centrais mulheres, sendo responsáveis pelos retratos mais marcantes de lealdade e dedicação feminina da literatura inglesa. E ambas constroem as suas heroínas como produtos do condicionamento feminino da época, cujas expectativas sociais eram muito restritas. Austen e Brontë tiveram uma produção bastante fértil na juventude, reunida neste livro, a qual parece encontrar uma espécie de equilíbrio no conflito entre a moral individual e social, criando heroínas complexas que se destacam por sua coragem e independência.



Trata-se de uma biografia de Jane Austen, com 224 páginas, escrita por Catherine Reef. Publicação da Editora Nova Século, com tradução de Katia Hanna. Essa biografia é mais recente e não tenho ainda no meu acervo, mesmo em inglês, portanto, eu não tenho como fazer qualquer comentário sobre a publicação. Entretanto, há que se lembrar que a autora deste livro é responsável por outras biografias e possui bastante livros publicados na área. Também vai para o meu carrinho de compras! Clique aqui para ter acesso ao livro.



Uma biografia contundente, perspicaz e divertida como uma legítima obra de Jane Austen, a vida revelada da escritora mais importante do século XIX. Embora seja uma das escritoras mais amadas de todos os tempos, Jane Austen ainda é uma figura de grande mistério. Seria ela a gentil e doce tia Jane? Ou uma moça de língua afiada, ardilosa, como sugere sua escrita? Como passava seus dias? E, se ela nunca alcançou o mesmo final feliz de suas personagens, teria ao menos encontrado o amor verdadeiro? Ambientando sua narrativa no contexto da aristocracia inglesa do século XIX, Catherine Reef extrai informações de cartas escritas por Austen para conceber um relato íntimo da vida e dos sentimentos da escritora. A narrativa inclui detalhes dos seis fascinantes romances publicados pela escritora.

sábado, 5 de abril de 2014

A erudite collection of essays considers Jane Austen's lasting influence and popularity in literary circles as well as her work's reflection of humanity, in an anthology that includes pieces by such writers as Virginia Woolf, C. S. Lewis and E. M. Forster.
Fazia tempo que eu andava atrás desse livro, acho que praticamente desde de sua publicação, ainda que eu tenha demorado um bocado para consegui-lo... A sinopse pode ser resumida pelo subtítulo: trinta e três ensaios de autores consagrados e outros menos conhecidos (pelo menos aqui no Brasil) falando sobre Jane Austen e sua obra.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Prezados leitores, sei que estou em falta com todos vocês por causa da escassez de notícias no blog e publicações periódicas. No momento, devido aos compromissos de trabalho e disciplinas que tenho que cursar no doutorado, estou bastante atarefada e me sobra pouquíssimo tempo para os posts. Peço que me desculpem! Espero em breve poder publicar coisas interessantes e com uma frequência maior!

Hoje, eu gostaria de destacar um novo blog chamado Austequila - overdose de Jane Austen... e loucuras! - que a leitora Stephanie Savalla gentimente me informou! Thanks my dear! 


Stephanie promete trazer tiradas divertidas com frases adaptadas ou inventadas, como se fosse a própria Jane Austen quem as pronunciou ou escreveu. Confira abaixo:


Stephanie é tão apaixonada por Austen que até tatuou o nome da escritora em seu braço! Isso sim é que é amor!! 



Sucesso com seu blog Stephanie! 

sábado, 1 de março de 2014


Deixe que outras penas se ocupem com culpa e miséria.

Esse ano comemoramos o bicentenário de publicação de mais uma obra da tia Jane e claro que eu não poderia deixar de falar sobre o assunto. Mansfield Park não é meu livro favorito dos romances de Austen, mas depois de muitas leituras e releituras e debates, acho que hoje consigo entender melhor e gostar mais de Fanny Price.

Mansfield Park é talvez o mais próximo de um conto de fadas que Austen chegou: Fanny Price é acolhida pelos tios ricos, ainda criança, para tirar um pouco do peso dos pais pobres. Levada para a majestosa Mansfield, é criada lado a lado com os primos, embora sempre lembrada de que não faz parte originalmente daquele mundo.

Há uma tia fazendo as vezes de madrasta má, duas primas para serem as meio-irmãs da Cinderela e até um príncipe encantado (que pode ou não vir acompanhado do cavalo branco). As semelhanças, contudo, terminam por aí.

Fanny não é exatamente uma princesa levada pelas correntes, completamente desarmada e pronta para ser levada no cavalo branco. Ela tem uma saúde delicada e é um tanto indefesa frente a Mrs. Norris (que é sem dúvida a mais detestável de todas as personagens criadas pelo gênio austeniano) – mas ainda assim, Fanny não é boba, nem se deixa convencer daquilo que acredita não ser certo. Ela é constante, nunca desvia de seus princípios, não importa o tipo de pressão que receba. Em termos de caráter, comparado com todos os outros personagens da história, ela é certamente admirável.

Mas essa força é também sua principal fraqueza – ao menos a meu ver. Tenho às vezes a impressão de que Austen a fez perfeita demais e que no alto de sua fortitude moral, Fanny está sempre julgando e desdenhando as escolhas dos outros. Para ser bastante sincera, só consigo simpatizar com Fanny a partir do momento em que a vemos ao lado do irmão, William, porque só então ela parece descer de seu pedestal de retitude.

Demorei um tanto mais a gostar de Edmund, que faz as vezes de mocinho. Há dois motivos para isso: primeiro, Edmund, como primo de Fanny e tendo crescido ao lado dela, enxerga-a inicialmente como uma irmã e sua mudança de sentimentos me soa um tanto brusca; segundo porque em comparação com o arrojado e charmoso Henry Crawford, Edmund não é exatamente material para príncipe encantado.

Mas aí está a grande sacada de Austen, que é a forma como ela brinca com as nossas expectativas. Mansfield Park tem toda a estrutura do conto de fadas, mas a resolução da história está longe de seguir o padrão. Fanny escolhe não o final de princesa ambiguamente ‘felizes para sempre’ (e príncipes de contos de fadas me dão arrepios de desgosto e desconfiança), mas sim a vida real, o companheirismo, o conforto daquilo que já lhe é familiar.

Partindo dessa premissa, na minha quarta ou quinta releitura do livro (perdi a conta a essas alturas), sou capaz de simpatizar bem mais com Fanny do que quando tive meu primeiro contato com ela. Ainda não é meu título favorito dos romances de Austen, mas aprendi a gostar dele.

sábado, 1 de fevereiro de 2014


How to explain the sheer tingling joy one experiences when two interesting, complex, and occasionally aggravating characters have at last settled their misunderstandings and will live happily ever after, no matter what travails life might throw in their path, because Jane Austen said they will, and that's that? How to describe the exhilaration of being caught up in an unknown but glamorous world of balls and gowns and rides in open carriages with handsome young men? How to explain that the best part of Jane Austen's world is that sudden recognition that the characters are just like you?

Quando tivemos o Encontro Nacional da JASBRA, ano passado, para celebrar o bicentenário de Orgulho e Preconceito, a Adriana Zardini citou esse livro na palestra dela. Óbvio e ululante, tão logo cheguei em casa, coloquei-o na minha lista e pouco tempo depois, tendo encontrado o bendito numa prateleira da Livraria Cultura, meti-o debaixo do braço e o trouxe para casa.

The Jane Austen Handbook é um livro interessante para quem quer entender um pouco mais do contexto da época em que os romances da tia Jane se passam. Você pode lê-lo de uma capa ou outra – e é uma leitura bem divertida – ou pode pular capítulos, usando-o como um guia de maneiras ou uma enciclopédia, de acordo com os aspectos que você queira estudar.

Os capítulos são curtos e variam desde conselhos sobre como se vestir durante o dia até regras para se fazer a corte. Há um bom glossário para entender certas palavras e conceitos que não temos hoje em dia; acompanhado de ilustrações e pequenas inserções explicando detalhes como o motivo de Mr. Collins ser herdeiro de Longbourn.

E tudo é escrito com muito bom humor e várias referências a situações em que nossas heroínas favoritas se encontraram ao longo das páginas de seus respectivos romances.

Não é um livro essencial, do ponto de vista em que acredito que qualquer um pode usufruir da leitura de um romance de Austen sem precisar de detalhes sobre como se conduzia o ambiente doméstico da época... mas é bastante informativo, sem deixar de ser divertido e certamente pode ajudar àqueles que querem ir um pouco mais a fundo em suas interpretações do período no contexto das novelas.

Eu certamente recomendo.

sábado, 4 de janeiro de 2014

Prezados leitores,
 
estarei de férias até o dia 15 de janeiro. Por enquanto, as interações serão feitas no nosso grupo no Facebook e os eventuais comentários aqui no blog serão autorizados e comentados por Kátia e Lucienne.

 

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Prezados leitores,
 
vocês já ouviram falar neste lançamento: Crimen em Mansfield Park, escrito por Lynn Sheperd?
O lançamento é de 2010, como publiquei aqui no blog, porém, só agora encontrei uma tradução em outra língua.

Crimen en Mansfield Park

Titulo: Crimen en Mansfield Park
Autor: Lynn Sheperd
Editorial: Booket
Género: Narrativa/Novela
Nº Páginas: 432
Precio: 12.95€
ISBN: 978-84-08-09935-2
Web: http://www.lynn-shepherd.com/

Sinopsis:

Si hay un personaje de Jane Austen que despierta rechazo, esa es Fanny Price, la moralista, insípida y tímida protagonista de Mansfield Park. Por eso Lynn Shepherd no ha podido resistir la tentación de transformarla en un personaje radicalmente opuesto. Fanny es aquí una rica y malcriada heredera, y Mary Crawford se ha convertido en un ser bondadoso que sufre todo tipo de humillaciones a manos de su vengativa vecina. Cuando Fanny es asesinada en los jardines de Mansfield Park, Mary asume el protagonismo, aliándose con el investigador Maddox para resolver el crimen.

Lee el primer capítulo gratuitamente.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Prezados leitores,
 
é com satisfação que aviso a todos interessados que já estamos organizando o V Encontro Nacional da JASBRA na cidade de Belo Horizonte. A data e o local onde o evento será realizado será divulgado posteriormente pois ainda estamos aguardando a confirmação da instituição parceira. Até o final do mês poderemos dar uma posição concreta. Obrigada pela compreensão!
 
Este ano celebraremos o Bicentenário de Mansfield Park e certamente teremos brilhantes oportunidades de discutir esse livro tão complexo! :)


 
Prezados leitores, por diversos motivos pessoais e profissionais eu me ausentei da net e das postagens do blog. Na tentativa de voltar à ativa, estou publicando hoje, com dias de atraso, o resultado do sorteio do kit da JASBRA. Espero que me perdoem! O final de 2013 foi bem corrido e cheio de tarefas importantes para serem concretizadas!

O kit exclusivo da JASBRA vai para a Carla! Obrigada a todos participantes!

 

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

A Karlinha do Coffee and Movies acaba de me avisar deste lançamento da editora Record:
 
 
 
Jane Hayes tem 33 anos e mora na Nova York atual. Bonita, inteligente e com um bom emprego, ela guarda um um segredo constrangedor: é verdadeiramente obcecada pelo Sr. Darcy. Embora sonhe com ele, os homens reais com os quais se depara são muito diferentes dos que habitam sua fantasia. Justamente por isso, ela decide deixar de lado sua vida amorosa e aceitar seu destino: noites solitárias aconchegada no sofá assistindo a Colin Firth em seu DVD.

Porém, esses não são os planos que sua rica e velha tia-avó Carolyn, tem para a moça. A única a descobrir o segredo de Jane deixa, em seu testamento, férias pagas para a sobrinha-neta na Austenlândia. A ideia é que Jane tenha uma legítima experiência como uma dama no início do século XX e consiga se livrar de uma vez por todas de sua obsessão. Contudo, para isso, ela terá que abrir mão do celular, da internet e até do uso de sutiãs em troca de tardes de leitura, espartilhos e... a companhia de belos cavalheiros. 

O livro inspirou o filme de mesmo nome estrelado por Keri Russell e sem data prevista para estrear. Assista ao trailer clicando no link http://bit.ly/AustenlandTrailer. ou Abaixo:
 
 

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013



Em dezembro de 2010, ocorreu o Primeiro Encontro da JASBRA em Recife, quando recepcionamos a Terry Hubener, representante da JASNA na Flórida. Desde então, organizamos um Clube do Livro que se ampliou para além de Austen (já nos reunimos para falar desde Drácula e Sherlock Holmes até O Hobbit e O Morro dos Ventos Uivantes); recebemos um Encontro Nacional da sociedade, no bicentenário de Razão e Sensiblidade; e marcamos presença em outros eventos sempre com muito orgulho.

Agora, três anos depois daquele primeiro encontro, a Terry está voltando ao Brasil e vamos novamente nos encontrar para recepcioná-la e também para comemorar três anos de atividades - três anos de muita conversa, muitos livros, e boas amizades.

Dessa vez, estaremos no Restaurante Papacapim, em Boa Viagem (junto ao shopping) no sábado, dia 14, a partir de 12h. Espero todos lá para o fechamento dos trabalhos do ano - e já com a expectativa para os encontros do ano que vem.

Abraços a todos!

Luciana Darce.
JASBRA/PE

terça-feira, 10 de dezembro de 2013


Olá queridos leitores! O aniversário de Jane está chegando (238 anos ela faria no próximo dia 16) e decidi oferecer um Kit exclusivo para os leitores do Jane Austen Brasil!

Para participar do sorteio basta responder à pergunta acima e deixar seu nome completo. Vocês poderão participar até 16:00 do dia 16 - que é o aniversário de Jane. Mas atenção, só serão consideradas as mensagens que atenderem aos requisitos acima, combinado?

Posteriormente publicarei as mensagens como uma espécie de cartão de aniversário para Jane! :)

Veja o que contêm no Kit Exclusivo da JASBRA:

 Kit do sorteio:
- 1 Bolsa do Bicentenário de Orgulho e Preconceito (exclusividade da JASBRA)
- 1 bloquinho post it da Jane Austen's Regency World
- 1 Guia de visitação de Chawton House, direto da casa onde Jane morou
-1 cartão postal da Catedral de Winchester, onde Jane está sepultada
- 1 marcador de livros comemorativo de 200 anos de Razão e Sensibilidade, presente do pessoal de Chawton
- 1 marcador de livros comemorativo dos 200 anos de Orgulho e Preconceito, exclusividade JASBRA
- 2 chaveiros comemorativos dos  200 anos de Orgulho e Preconceito, exclusividade JASBRA
- 2 broches comemorativos dos  200 anos de Orgulho e Preconceito, exclusividade JASBRA 
A leitora Alexandra Duarte nos presenteia hoje com suas reflexões a respeito de Jane Austen e feminismo. E vocês leitores, o que acham desta perspectiva?

O artigo está disponível para download, basta clicar na imagem abaixo.

 
Hoje é dia do tão esperado sorteio duplo de Razão e Sensibilidade!
Foram 95 inscritos!

Vejam quem são os sortudos abaixo:

 

sábado, 7 de dezembro de 2013

Já no espírito natalino, Luciana Darce (JASBRA-PE) nos resenha contos de natais em Pemberley!


Happiness, deep love, and Christmas cheer echoed down the lengthy corridors and invaded every chamber of the Manor. But in none were these positive emotions as high as in the Master’s chambers on the upper floor of the south wing.

You see, this Christmas was Darcy’s first as a married man. A newlywed of less than a month, in fact, and to his indescribable joy, his wife was Elizabeth. The numerous questions of the prior Christmas were answered beyond his wildest imaginings. Any delusions or doubts were erased.

Was he in love with Elizabeth Bennet, now Elizabeth Darcy?

Yes! A resounding yes and to a depth that continually staggered him.

Estamos quase no Natal! E que melhor forma de comemorar do que passar as festas em Pemberley?

A Darcy Christmas é uma antologia de três contos de autoras já conhecidas por ‘brincar’ com as palavras de Austen: Amanda Grange, Sharon Lathan e Carolyn Eberhart. Das três, confesso que a única que conheço é a Grange, por causa da série de diários dos heróis austenianos.

É de Grange o conto de que mais gostei, Christmas Present. Os personagens todos ecoam muito bem suas contrapartes originais e é divertido ver como eles se comportam no ‘pós-livro’, com a família toda se reunindo sob o teto dos Bingley, Lady Catherine e Mrs. Bennet competindo por “parente mais inconveniente do ano”.

A relação de Darcy e Lizzie é confortável como boa xícara de chocolate quente num dia frio (algum dia farei algo sobre minha obsessão com metáforas culinárias para livros...) e a história toda é bem gostosa de ler.

Mr. Darcy’s Christmas Carol da Carolyn Eberhart é… eu não sei dizer o que é, para ser sincera. A ideia em si é interessante, mas o desenvolvimento é tão absurdo que se torna inadvertidamente engraçado.

Fiquei um pouco com o pé atrás com algumas inconsistências, especialmente sobre o pai do Darcy e sua relação com o Wickham. Ainda assim, ri quando Darcy cruza com Wentworth ou, melhor ainda, como o próprio Scrooge – e não vamos entrar no mérito que o conto de Dickens é bem típico da era vitoriana, umas boas décadas pós-Austen...

Fecha a tríade A Darcy Christmas, de Sharon Lathan, conto que dá nome à antologia.

Lathan, como Grange, é mais fiel ao estilo de Austen, embora alguns detalhes me pareçam destoar da personalidade que conhecemos dos personagens mais famosos da autora... Ainda assim, a história me agradou, mostrando décadas de natais da família Darcy, o nascimento e perpetuação de tradições de Lizzie, Fitzwilliam e seus filhos.

De uma maneira geral, não é o melhor que já li em matéria de sequências e mashups inspirados em Austen... mas é um livrinho interessante, rápido de ler e apropriado para dias longos sem nada para fazer, quando temos vontade de nos enroscarmos na cama preguiçosamente e ler algo açucarado-indutor-de-diabetes.

Além disso... it’s beginning to look a lot like Christmas... (e Pemberley deve ser liiiiiinda no Natal...).

Jane Austen Brasil © 2008 - 2013 | Powered by Blogger | Blogger Template by DesignCart.org